Goiás tem pior criação de empregos formais no mês de junho em 8 anos

Goiás tem pior criação de empregos formais no mês de junho em 8 anos

18 de julho de 2014 0 Por Alex Alves

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), mostram que Goiás registrou 3.522 empregos com carteira assinada no mês de junho, fazendo com que o estado ocupe o 4º lugar no ranking nacional, ficando atrás de Minas Gerais, Pará e Rio de Janeiro. No entanto, o resultado representa uma queda de 44% se comparado ao mesmo período do ano passado e o pior resultado do estado para o mês em oito anos.

Apesar da queda na comparação com junho de 2013, Goiás aparece em 6º lugar no ranking que avalia o primeiro semestre deste ano, com a criação de 46.176 novos postos de trabalho – alta de 3,87%. Já em relação aos últimos 12 meses, Goiás ocupa o 9º lugar entre os demais estados da federação, com 31.797 vagas, uma alta de 2,60%.

Em junho deste ano, segundo o Caged, o setor que mais cresceu no estado foi o de serviços, com 2.376 contratações. Em seguida, aparece a agropecuária, com 778 novos postos de trabalho.

Já as áreas de construção civil (-93) e serviços industriais de utilidade pública (-22) foram os que tiveram o pior desempenho. No caso da construção civil o resultado negativo pode refletir uma desaceleração do mercado em Goiás, já que no mesmo mês do ano passado foram criados 1.598 postos de trabalho.

Os dados apontam que a cidade que mais contratou em junho foi Goiânia, com saldo de 1.376. Em seguida aparece Cristalina, com 591, e Itumbiara, com 422. Ainda aparecem na lista Rio Verde, com 288 novos postos de trabalho e Inhumas, com 270.