Brasil ocupa uma das últimas colocações em ranking mundial de educação

Notícias Top Geral

De acordo com os dados divulgados nesta terça feira (06) pelo Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, em inglês), que é considerada a principal avaliação de educação básica no mundo, a situação do Brasil é preocupante, indicando estagnação no desempenho escolar dos alunos.

Os dados mostraram que a educação no Brasil teve uma queda de pontuação nas três áreas avaliadas, sendo elas: ciências, leitura e matemática. Dessa maneira, no ranking mundial, composto por 70 países, o Brasil ficou na 63ª colocação em ciências, 59ª em leitura e 66ª posição em matemática.

A prova, aplicada em 2015 para adolescentes de 15 e 16 anos de 841 escolas públicas e privadas de todo o país, é coordenada pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e por meio dela é possível traçar um perfil básico de conhecimentos e habilidades dos estudantes, além de reunir informações sobre aspectos demográficos e sociais de cada país participante, sendo possível monitorar os diversos sistemas de ensino.

Em 2015, a nota do Brasil em ciências caiu de 405, na edição anterior da prova de 2012, para 401; em leitura, caiu de 410 para 407 e matemática, o valor caiu de 391 para 377. Nesta última área, a média dos países que participam da avaliação é de 490. No ranking geral, Cingapura foi o país que ocupou a primeira colocação nas três áreas, com 556 pontos em ciências, 535 em leitura e 564 em matemática.

Para se ter uma noção, mais de 70% dos alunos brasileiros que fizeram a prova não conseguiram alcançar o nível 2 da avaliação de matemática, em uma escala que vai até 6. Isso significa que, de acordo com os parâmetros da OCDE, a maioria dos estudantes não é capaz de interpretar e reconhecer situações em contextos que não exigem mais do que uma inferência direta, por exemplo. Além disso, a OCDE considera o nível 2 o mínimo adequado para exercer a cidadania. Na área de ciências, 56,6% dos alunos não conseguiram ultrapassar este nível 2 e em leitura, 51% dos estudantes também não chegaram a este nível.

Em relação à colocação de cada estado, em ciências e leitura, o Espírito Santo apresentou as maiores médias, com 435 e 441 respectivamente. Em matemática, a maior média foi a do estado do Paraná, com 406 pontos. Já Alagoas registrou as médias mais baixas nas três áreas, com 360 pontos em ciências, 362 em leitura e 339 em matemática.

Rosana de Carvalho – Site PaNoRaMa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.