A Faculdade de Educação da UFG divulga nota manifestando repúdio à prática de militarização da educação pública goiana

A Faculdade de Educação da UFG divulga nota manifestando repúdio à prática de militarização da educação pública goiana

11 de março de 2014 3 Por Redação Portal PaNoRaMa

[vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_facebook type=”standard”][/vc_column][/vc_row]

Inauguração do Cpmg Nestório Ribeiro (14/02/2014) - FOTO: Site PaNoRaMa

Inauguração do Cpmg Nestório Ribeiro (14/02/2014) – FOTO: Site PaNoRaMa

Nesta segunda-feira (10), foi divulgada pela UFG, no site FE (Faculdade de Educação), uma nota em favor da escola pública no Estado de Goiás. Na mesma, a faculdade manifesta publicamente o seu repúdio a toda e qualquer prática de militarização da educação pública goiana, afirmando preocupação com as matérias recentemente publicadas em diferentes meios de comunicação, as quais noticiam a ampliação do número de escolas públicas geridas pela Secretaria da Segurança Pública/Polícia Militar (SSP/PM) no estado de Goiás.

De acordo com o documento, conforme as matérias referidas, o Governo de Goiás, com o intuito de reduzir a violência, passará a administração das escolas públicas para a SSP/PM, ao todo serão mais de dez escolas em diferentes cidades do Estado de Goiás, com mais de 4.732 vagas no ano de 2014. Dessa forma, o governo de Marconi Perillo delegará a responsabilidade de dezesseis escolas públicas, (sendo que já existem seis) à Secretaria da Segurança Pública por meio da Polícia Militar do Estado de Goiás.

Segundo o noticiado, para se manter em uma escola dirigida pela PM, cada aluno deverá pagar a matrícula, no valor de R$ 100,00 e uma mensalidade no valor de R$ 50,00. As famílias dos alunos deverão custear também o  material didático  ­ valor  de dois livros: R$  300,00  e  o uniforme (de motivos militares, incluindo os  sapatos), adquiridos  fora do estabelecimento escolar e que podem chegar a até R$ 600.

A nota questiona o fato relacionado acima e também destaca fatores a respeito da política governamental que amplia o número de escolas públicas geridas pela PM, da responsabilidade de garantia e provimento do ensino público que é de responsabilidade da Secretaria Estadual de Educação do Estado de Goiás (SEE/GO), dando ênfase ao Ensino Médio.

Outros fatores importantes mencionados na nota estão relacionados à segurança, violência, pagamento de taxas, compra de livros e uniformes em uma instituição pública, a diferenciação que o processo de militarização estabelece entre as escolas públicas do Estado de Goiás, às condições necessárias para se manter uma escola pública, entre vários outros pontos de imensa importância, não deixando de lado as consequências de tais equívocos.

Para conferir a nota clique aqui.

 

Nayara Borges de L. T. Moraes – Site PaNoRaMa