HMA prepara 3ª etapa do projeto Homeopatia Contra a Dengue

Saúde e Bem Estar

[vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_facebook type=”standard”][/vc_column][/vc_row]

CAT- Saúde

DENGUE2O Hospital de Medicina Alternativa (HMA) promoveu uma reunião de sensibilização preparatória para a 3ª etapa do projeto Homeopatia contra a Dengue nesta quarta-feira, dia 7. A oficina foi realizada das 8h30 às 12 horas, no auditório da Escola de Saúde Pública. Gestores de saúde de 100 municípios foram convidados para participar do evento.

O diretor-geral do HMA, Nestor Carvalho, adianta que o número de casos de dengue em Jataí, Aporé e Senador Canedo caíram desde o início do programa, e os gestores acreditam que o complexo homeopático contribuiu para a prevenção da doença. Após o encontro, as cidades participantes poderão promover campanhas de esclarecimento a profissionais e moradores sobre a importância do uso do medicamento.

O projeto Homeopatia Contra a Dengue já beneficiou mais de 200 mil pessoas em mais de 75 municípios goianos. O medicamento não é vacina, mas fortalece o sistema imunológico e, assim, reduz os sintomas da doença. Goiás é pioneiro no País na realização do projeto em âmbito estadual.

Teste e pesquisa
Segundo a enfermeira e coordenadora do projeto no HMA, Regina Maria, o efeito do complexo homeopático foi testado e comprovado por pesquisas. A unidade possui as condições necessárias para produzir até 10 mil frascos de 30 ml por mês, ao custo final de R$ 1,60 cada. A distribuição dos compostos é feita gratuitamente para unidades públicas de saúde do Estado, sendo que as fórmulas são distribuídas em meses que, historicamente, precedem os surtos: fevereiro, maio, setembro e dezembro.

A prescrição recomendada é de duas gotas, a cada três meses, ou seja, o efeito não é cumulativo. Já nos casos confirmados, o interessado precisa tomar cinco gotas, quatro vezes ao dia, durante 10 dias, para ter o efeito desejado. Não há contraindicação, sendo que adultos, crianças, jovens, idosos, bebês e gestantes podem tomar. A única restrição é para bebês que mamam no peito. Nesse caso, basta administrar o medicamento à mãe, e pelo aleitamento, o bebê ficará protegido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.