GOIÁS: Perillo exige retratação de policiais civis por invasão à sede do governo

Notícias Polícia / Bombeiro Política

[vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_facebook type=”standard”][/vc_column][/vc_row]

Vidraça foi quebrada durante confusão na sede do governo (Foto: Renato Conde/O Popular)
Vidraça foi quebrada durante confusão na sede do governo (Foto: Renato Conde/O Popular)

SESC
SESC

O governador do estado de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), repudiou, nesta quarta-feira (19), a ação dos policias civis que invadiram a sede administrativa do governo, o Palácio Pedro Ludovico Teixeira, em Goiânia, na tarde do dia anterior. Na ocasião, vidraças de janelas foram trincadas e uma porta, quebrada. Servidores tiveram de evacuar andares.

Perillo também afirmou ter tomado providências para responsabilizar criminalmente os agentes e pediu que a categoria faça uma retratação pública pela invasão. “Ou pedem desculpas públicas à sociedade e ao governo ou não haverá acordo”, disse o governador referindo-se à pauta de reivindicações da categoria, que ameaçou entrar em greve.

Acesse aqui nota oficial

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Goiás (Sinpol), Silveira Alves, afirmou que a categoria considera o pedido do governador. “Nós entendemos que não tem necessidade, mas vamos até pensar”, disse.  O Sinpol afirma que já entrou em contato com a administração do Palácio para providenciar a reparação dos danos ao edifício.

Impasse

Também durante a manhã, os representantes Sinpol se reuniram com o secretário de Gestão e Planejamento do Estado, Leonardo Vilela. Os policiais alegam que o governo quebrou o acordo firmado que pôs fim à greve de 86 dias realizada pela categoria no ano passado.

Segundo os policiais, o acordo reajustaria os salários em 35% a partir de janeiro deste ano, mas o projeto nem chegou a ser votado na Assembleia Legislativa. A categoria alega que o combinado é de que a questão entraria na pauta da casa na terça-feira, o que não aconteceu. Marconi Perillo, por outro lado, nega ter estabelecido datas para o reajuste. “Vamos encaminhar à Assembleia Legislativa, mas eu não vou definir data de quando isso vai ser ecaminhado”, definiu o governador.

Durante o encontro, o secretário reafirmou a posição do governador de que a negociação com a categoria só será feita mediante a retirada do indicativo de greve. A decisão só deve ser tomada em assembleia geral extraordinária dos policiais civis, marcada para as 14h de terça-feira (25), na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego).

Precaução

Dezenas de policiais militares da Ronda Ostensiva Tática Metropolitana (Rotam) reforçaram a segurança na Praça Cívica durante a manhã. O objetivo era evitar a possibilidade de uma nova invasão à sede administrativa do governo. Com algumas das ruas de acesso à praça interditadas, o trânsito ficou congestionado. Diante das reclamações dos motoristas, os militares liberaram as ruas, mas o policiamento continuou forte na região.

Do G1 Goiás

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.