Delegado diz que suspeito não mostra tristeza por morte de namorada: ‘Frio’

Notícias Polícia / Bombeiro

[vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_facebook type=”standard”][/vc_column][/vc_row]

"Nós temos provas contundentes de que ele foi o mandante do crime"
“Nós temos provas contundentes de que ele foi o mandante do crime”, destacou Dr. André Fernandes
TEste 2020 aac

O delegado André Fernandes avaliou nesta sexta-feira (9) o depoimento do empresário de 28 anos suspeito de mandar sequestrar e matar a namorada, a jovem Tatylla Cristina Marçal da Silva, de 24, em Jataí, região sudoeste de Goiás. De acordo com ele, o homem negou envolvimento no crime e não demonstrou tristeza pelo que ocorreu com a vítima. “Ele estava frio e tranquilo, não tinha nenhum pesar”, afirmou Fernandes.

O suspeito prestou depoimento na noite de quinta-feira (8), logo após ser detido. Tatylla foi encontrada morta em uma pedreira, no mês passado, cinco dias após ter desaparecido. A jovem tinha sido vista pela última vez saindo de uma igreja. Câmeras de segurança registraram o carro da jovem sendo seguido por uma caminhonete, que, segundo a polícia, pertence ao namorado dela.

A polícia está fazendo diligências na cidade para tentar encontrar os dois homens, que segundo a investigação, teriam sido contratados por R$ 18 mil pelo empresário para matar a jovem. “Ele disse que nunca viu um dos homens e que conhece o outro apenas de vista”, conta Fernandes.

Investigação
Apesar de o suspeito ter negado participação no crime, para o delegado, não há dúvidas de que ele é o mandante do assassinato.

“Nós temos provas contundentes de que ele foi o mandante do crime e pagou uma importância em dinheiro para os executores, que são de Jataí. Agora, a polícia está atrás deles. Voltamos nossos objetivos para esses executores, para que seja finalizada a investigação”, destacou.

De acordo com as investigações, depois do sequestro, a vítima foi levada de Jataí para Goiânia. Imagens de um circuito de segurança de um hotel da capital mostraram a jovem sendo conduzida por dois homens, que são os supostos criminosos contratados. “Ela passou a noite no mesmo quarto que eles. Vamos investigar se ela também sofreu abuso”, salienta.

Do G1 / Foto: Site PaNoRaMa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.