Alto custo de curso no Brasil leva goianos a estudar medicina na Rússia

Notícias Top Geral

[vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_facebook type=”standard”][/vc_column][/vc_row]

Devido ao alto custo de estudar fora do país, a experiência ainda é considerada, por muitos, um luxo. Na contramão desse pensamento, um grupo de quatro jovens goianos embarca, na segunda-feira (23), com destino a Rússia, onde passarão seis anos estudando medicina na Universidade de Kursk. Eles afirmam que fogem dos altos preços cobrados no ensino superior no Brasil. Segundo o grupo, o valor médio da mensalidade do curso em uma universidade privada brasileira pode chegar ao valor relativo a seis meses do mesmo curso na Rússia. “Pelo programa russo, semestralmente nós vamos pagar uma parcela que fica em torno de R$ 6 mil”, explica Brenda Cristina Costa, de 17 anos.

Além do valor da mensalidade, os jovens estimam gastos mensais de, em média, R$ 1,2 mil com hospedagem em um hotel da cidade e R$ 1 mil com alimentação e outras despesas. Eles ressaltam que os gastos não se limitam ao valor do curso, hospedagem e alimentação. “Já gastamos cerca de R$ 15 mil antes da viagem com as passagens, visto, vacinas, roupas para o frio, além da assessoria que fez a ponte com a universidade”, diz João Paulo Rios Alencar, 20.

Mais médicos
A questão financeira não foi o único motivo que levou o grupo a optar por estudar na Rússia, pois o lançamento do programa Mais Médicos, do governo federal, também incentivou a decisão. Guilherme Henrique Rodrigues, de 20 anos, acredita que, com o Mais Médicos, ficou mais fácil para os profissionais graduados em outros países conseguirem a revalidação do diploma no Brasil. “Antes era praticamente impossível passar em uma prova do revalida, mas agora esses números estão crescendo”, diz.

Para Brenda, a possibilidade de ter o diploma aceito em mais de um país é outra vantagem de cursar a graduação no exterior: “Não estamos pensando só no Brasil. Nosso diploma será válido em 57 países, então pensamos em exercer a profissão em outros lugares também”.

Expectativas
Os preparativos desde o primeiro contato com o programa já duram cerca de cinco meses. Para conquistar as vagas, os estudantes passaram por uma seleção com base em análise do histórico escolar, entrevistas com os candidatos e com os pais. Além dos quatro goianos, 26 jovens brasileiros embarcam neste mês com destino à Universidade de Kursk.

Marcelo Alves de Oliveira, 18, que tentou várias vezes o tradicional vestibular no Brasil, acredita que o método de seleção da universidade russa valoriza mais o estudante. “Eu vejo que são duas realidades: uma que valoriza todos os seus anos de estudo e outra que é de sorte, que é o vestibular”, opina.

Marcelo destaca ainda que, além do diploma, ele e os colegas esperam retornar do exterior com algo extra na bagagem: o crescimento pessoal. “Eu escutei pessoas falando que qualquer um entra na universidade de lá, mas acredito no quesito da qualidade da faculdade e você estar preparado para as dificuldades, se adaptar a uma língua e a uma vida totalmente diferentes”.

O idioma é motivo de preocupação para eles, que ainda não tiveram contato com a língua, mas os primeiros três anos do curso são ministrados em inglês, o que dará tempo para que eles aprendam russo.  “A partir do 3º ano a gente começa a atender a população de lá, então temos que ter noção do russo para lidar com os pacientes”, explica Guilherme.

Luísa Gomes – Do G1 GO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.