1º Curso de Criação de Aves Caipira para Produção de Carne e Ovos foi realizado em Jataí

Agronegócio

[vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_facebook type=”standard”][/vc_column][/vc_row]

NUMBERS-300x250

foto destaqueFoi realizado nos dias 26 e 27 de abril, na UFG, Câmpus Jatobá, um curso de Criação de Aves Caipira para Produção de Carne e Ovos. O mesmo foi promovido pelo curso de Zootecnia e teve como palestrante a Doutora Kênia Ferreira Rodrigues, zootecnista, com Doutorado em Avicultura e professora da UFT, Universidade Federal do Tocantins, Câmpus Araguaína.

Na oportunidade, a equipe do site Panorama entrevistou a palestrante sobre alguns principais pontos que envolvem este tipo de produção. Confira abaixo a entrevista:

Equipe Panorama: Quais seriam as principais instruções para quem quer iniciar a produção de frangos caipiras em pequena escala?

Dra. Kênia: A primeira coisa que passamos para o produtor é que ele precisa saber onde ele vai comercializar esses frangos para que o mesmo determine o tamanho da criação que vai ter. Então, sabendo onde vai comercializar ele já inicia o planejamento do seu projeto e aí ele determina o número de aves e a estrutura que vai precisar para isso.

Equipe Panorama: Vale a pena iniciar uma produção já com produtos orgânicos?

Dra. Kênia: Se nós tivéssemos todos os subsídios para esta produção, que seriam os ingredientes produzidos no formato orgânico, valeria a pena, mas o problema é que hoje o produtor não tem muitas vezes acesso, aqui, por exemplo, que é uma região de produção de grãos muito intensa, aos grãos de produção orgânica. Então primeiro, ele precisaria fazer essa transição na sua propriedade, produzindo milho, soja, mandioca, todos os produtos no formato orgânico para que a partir dos mesmos ele alimentasse e criasse o frango dentro dessa conformidade orgânica.

Equipe Panorama: Quais são as perspectivas para o mercado do frango e dos ovos caipiras para os pequenos produtores?

Dra. Kênia: A demanda é muito boa. Nós, culturalmente, temos um consumo muito grande do frango caipira, toda família gosta de comer um franguinho caipira no final de semana principalmente. Em relação aos ovos, se você tiver essa produção, com certeza não faltará mercado. Agora, a questão é conseguir toda uma organização mínima para que esse produtor não só produza o frango, mas que ele consiga também abatê-lo e colocá-lo com qualidade para os consumidores.

Entrevistamos a professora do curso de Zootecnia, Ana Luisa Aguiar de Castro, com Mestrado e Doutorado em Nutrição de Ruminantes, que também participou do referido curso. Confira a nossa entrevista:

Equipe Panorama: Aqui em nossa região, como o mercado de frango caipira têm se comportado?

Professora Ana Luisa: Nosso maior mercado de venda são as feiras livres da cidade e nós estamos com uma fiscalização maior por parte da prefeitura. Então, para conseguir entrar neste mercado, teremos que atender as normas de qualidade impostas pela prefeitura para a garantia do produto final.

Equipe Panorama: Na UFG, há algum curso ou projeto voltado para este tipo de produção?

Professora Ana Luisa: Está sendo implantado agora o projeto Mandala, no qual nós vamos fazer a criação de frango caipira, de corte e postura, juntamente com as hortaliças, para tentar esta sustentabilidade, porque as hortaliças alimentam os frangos.

Equipe Panorama: Qual a importância desse curso que foi oferecido aos alunos da UFG, mais especificamente aos de Zootecnia?

Professora Ana Luisa: Este curso trás uma característica diferente no mercado. Nós, na faculdade, aprendemos a criação em grande escala e a professora Kênia é especialista em produção em pequena escala, na categoria caipira. Então, acho que é um treinamento diferente, mudando nosso jeito de ver a produção e para os alunos isso é fundamental, porque eles ainda não sabem onde irão trabalhar amanhã.

Rosana de Carvalho / Vânia Santana – Site PaNoRaMa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.