Criadores preparam a silagem para alimentar os animais no inverno

Agronegócio

[vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_facebook type=”standard”][/vc_column][/vc_row]

O pecuarista Sidney Borges está na atividade há seis anos e sempre aproveita parte da lavoura de milho da safra de verão para adiantar a produção da silagem.
O pecuarista Sidney Borges está na atividade há seis anos e sempre aproveita parte da lavoura de milho da safra de verão para adiantar a produção da silagem.
SESC

A menos de dois meses da chegada do inverno é hora do criador se preparar para enfrentar o período, que geralmente deixa os pastos secos e com poucos nutrientes. Em Goiás, quem pode já está fazendo a silagem para alimentar os animais.

Na fazenda Braz Filizzola, em Jataí, o gado é criado no sistema de semiconfinamento, regime onde os animais são alimentados com pastagem e ração. O pecuarista Sidney Borges está na atividade há seis anos e sempre aproveita parte da lavoura de milho da safra de verão para adiantar a produção da silagem. Em um silo há 630 toneladas do produto.

Apostando cada vez mais na criação de gado fora de época, ou seja, no período da entressafra, durante a estiagem, esse ano, o fazendeiro adquiriu um novo equipamento, um vagão misturador, desenvolvido para aproveitar melhor os nutrientes que são adicionados à silagem, um investimento de mais de R$ 60 mil.

Segundo o pecuarista, a ração este ano está mais cara. A tonelada pronta custa cerca de R$ 75, 15% mais do que nesta mesma época do ano passado.

Para reduzir custos e garantir a alimentação do gado durante o período de estiagem, que começa no mês de junho, o pecuarista pretende triplicar a produção de silagem com cerca de 2 mil toneladas.

O insumo vem do milho cultivado na safrinha, 50 hectares de lavoura na mesma propriedade. “Vou aproveitar a mesma área duas vezes, uma para fazer a silagem e depois para fazer a palhada da braquiária para, então, entrar com a soja só em outubro. Tenho alimento garantido para o gado durante todo o ano”, diz.

Do Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.