Conheça a verdade das revisões obrigatórias de veículos

Conheça a verdade das revisões obrigatórias de veículos

26 de julho de 2014 0 Por Rosana de Carvalho

Se você comprou um carro 0 km ou que ainda esteja na garantia, provavelmente de certo em certo tempo fica em dúvida quanto àquelas revisões obrigatórias e todos aqueles itens que, de acordo com a concessionária, são trocados de forma obrigatória.

Mas saiba que nem todas as trocas, limpezas e correções são necessárias. Para tanto, o proprietário deve saber quais são as exigências de fábrica de cada veículo, de acordo com o manual e com o tempo de rodagem.

Abaixo, estão alguns mitos de verdades sobre a revisão obrigatória:

– Limpar os bicos injetores antes dos 30 mil km: MITO. Excetuando-se quando se abastece com gasolina adulterada com solvente de borracha ou com etanol misturado com álcool anidro, o filtro de combustível consegue segurar 98% das impurezas e deve ser trocado a cada 10 mil km;

– Cristalização ou espelhamento da pintura antes dos 20 mil km: MITO. De fábrica, o carro já sai com uma camada de verniz suficiente para proteger e dar brilho. Este tipo de procedimento só precisa ser feito em pinturas manchadas ou sem brilho. De acordo com a quilometragem, até os 20 mil km, basta fazer um enceramento a cada 2 meses;

– Aditivo no óleo do motor: MITO. De acordo com as configurações de fábrica, o óleo especificado já possui todos os aditivos necessários para o bom funcionamento do motor. A limpeza interna com aditivos só deve ser feita quando há alguma contaminação ou tenha-se esquecido de realizar as trocas de óleo dentro do prazo;

– Descontaminação do motor: MITO. Desde que o motorista faça as substituições dos filtros de ar, óleo e combustível dentro dos prazos estipulados pelo manual, este tipo de serviço não é necessário antes dos 30 mil km;

– Correção da cambagem: MEIO TERMO. é uma correção que é feita na inclinação da roda em relação ao plano vertical. Só é necessária quando a roda do carro caiu em um buraco muito grande, quando força as rodas dianteiras na guia ou quando ocorreu uma colisão dianteira;

– Alinhamento e balanceamento a cada 10 mil km: VERDADE. Se estas correções não forem feitas, há o aumento do consumo de combustível, além da diminuição da vida útil dos pneus por causa do desgaste irregular da banda de rodagem. Assim, o alinhamento é responsável pelos ajustes de convergência e divergência das rodas e o balanceamento equilibra a distribuição da massa do pneu e da roda para evitar trepidações;

– Colocar aditivo na água do radiador: VERDADE. Os problemas de arrefecimento na maioria das vezes são causados pela falta do uso de aditivos. Eles oferecem proteção contra corrosão de peças metálicas que entram em contato com a água e promovem maior vida útil de itens como sensores térmicos, válvulas termostáticas, entre outros. Entretanto, basta colocar o aditivo nas revisões, não sendo necessário quando apenas se completa a água do radiador nos postos de gasolina;

– Substituição das velas a cada 20 mil km: VERDADE. Devem ser trocadas pois a faísca que elas produzem vão perdendo a intensidade e deixam de queimar parte do combustível que entra na câmara de combustão. Por isso, se não forem trocadas, haverá o aumento do consumo de combustível e diminuição da potência do motor. A regra geral é que ela deve ser substituída a cada 20 mil km, mas alguns carros exigem a troca com uma quilometragem diferenciada, por isso o proprietário deve estar atento ao manual;

– Substituição do fluido de freio a cada 20 mil km: VERDADE. Se não for substituído dentro do prazo, o fluido pode gerar oxidação, ou seja, enferrujar algumas peças do sistema, como os cilindros de roda, cilindro mestre e pinças de freio;

– Higienização do ar condicionado: VERDADE. Neste caso, as crianças são as principais vítimas, que sofrem com os fungos e bactérias que se alojam nesse sistema. A cada 10 mil km, é importante fazer esta manutenção.

Rosana de Carvalho – Site PaNoRaMa