Agronegócio Top Panorama

Agrodefesa alerta produtores sobre vazio sanitário da soja

Foto: Sâmela Raíssa
A estratégia visa reduzir a possibilidade de incidência precoce da ferrugem nos cultivos da safra de verão

Agência Goiana de Defesa Agropecuária – Agrodefesa, volta a alertar os produtores rurais de Goiás para a necessidade de observar o vazio sanitário da soja, período no qual não pode haver plantas vivas dessa cultura no campo. A medida é regulamentada pela Instrução Normativa nº 8, de 6 de novembro de 2014. O vazio sanitário é uma estratégia adicional no manejo da ferrugem asiática da soja, e tem como objetivo reduzir a quantidade de uredosporos do fungo no ambiente durante a entressafra e, dessa forma, reduzir a possibilidade de incidência precoce da ferrugem nos cultivos da safra de verão.

O presidente da Agrodefesa, José Essado, enfatiza que o período estipulado para o vazio sanitário começou em 1º de julho e vai até 30 de setembro deste ano. “Não houve qualquer mudança na Instrução Normativa e as regras devem ser observadas. Os fiscais da Gerência de Sanidade Vegetal têm monitorado as áreas de plantio e a partir do início de setembro vamos intensificar a fiscalização para verificar o cumprimento da medida”, alertou Essado. O vazio sanitário é de suma importância e por isso mesmo já é praticado em Goiás desde o ano de 2006. O saldo desse procedimento preventivo é muito positivo, com benefícios econômicos, fitossanitários, sociais e ambientais.

Conforme a normativa nº 6/2014 da Agrodefesa, a safra de verão começa a ser semeada em 1º de outubro e vai até 31 dezembro. Os produtores que descumprirem as regras da legislação fitossanitária serão penalizados com multa de R$ 250,00 por hectare e com outras sanções previstas na Lei Estadual de Defesa Vegetal nº 14.245, de 29 de julho de 2002, regulamentado pelo Decreto nº 6.295 de 16 de novembro de 2005 e na Lei Federal nº 9.605 de 1998.

Vantagens

É fundamental que os produtores colaborem e eliminem todas as plantas voluntárias da safra anterior. O resultado esperado é o atraso no surgimento da ferrugem na safra seguinte, o que reduzirá o número de aplicações de fungicidas e menos gasto com mão de obra na aplicação. O vazio sanitário não elimina a incidência da ferrugem, mas minimiza muito o problema, com ganhos econômicos, fitossanitários, sociais e ambientais para os produtores e para a população como um todo. Na safra 2017/2018, Goiás cultivou 3.340.863 hectares de soja, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

O artigo 8º da Instrução Normativa nº 08/2014 estabelece alguns casos em que a Agrodefesa poderá autorizar a semeadura e a manutenção de plantas vivas no período do vazio sanitário: cultivo em áreas dos projetos públicos de irrigação em Goiás (Luís Alves do Araguaia) e cultivo em ambiente protegido de pesquisa (estufas agrícolas e casas de vegetação). Neste caso, os pesquisadores devem apresentar à Agrodefesa até dia 30 de abril de cada ano o requerimento para cultivo juntamente com o plano de trabalho detalhado e Termo de Compromisso e Responsabilidade, em modelos definidos pela Agência.

Fonte: Governo de Goiás
Foto Capa: Sâmela Raíssa
panorama.not.br

Enquete:

O Panorama quer saber a sua opinião: Educação sexual nas escolas de Jataí. Você é contra ou a favor?

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...